sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PREPÚCIO, O GLANDE Resumo de uma biografia não autorizada, por JAMIL DAMOUS



PREPÚCIO, O GLANDE
Resumo de uma biografia não autorizada
JAMIL DAMOUS



Prepúcio, O Glande, nasceu em 69 A.D. na região da Cornualha, nobre da Casa dos Karalhus. Desde pequeno, o nosso futuro grande filósofo demonstrou vivo interesse pelas questões da cópula anal, do felatio e do cunnilingus.

Quando atinge a maioridade, Prepúcio passa a ser chamado de O Glande, devido a problemas de dicção e ao acentuado tamanho de sua cabeça. Nos primeiros anos de sua formação universitária, Prepúcio ganha a sua fama de gênio ao travar a famosa polêmica com seu mestre Esquilau, O Escroto, em torno da correta pronúncia da palavra clitóris (ou clítoris? Na época todos se engajaram na polêmica, tomando um partido ou outro). É quando surge a expressão “tirar o pescador do barquinho”, cunhada pelo próprio Prepúcio quando investigava pessoalmente um dos milhares de grelos ou pinguelos, no seu duro trabalho de pesquisa de campo.

A sua tese, brilhantemente defendida ao final do curso, intitulada “A MEDIDA DO CU É A ROLA TODA”, é até hoje matéria obrigatória nos círculos acadêmicos e nunca ninguém conseguiu contestá-la por inteiro. Quem mais se aproximou disso, já no século XX, foi a professora italiana Graciosa Rodella em seu opúsculo “ALGUMAS RESTRIÇÕES À MÁXIMA DE PREPÚCIO”, no qual ela tenta contestar a até então incontestável máxima, em especial no capítulo “NO MEU NÃO”.

Após conseguir o doutorado, Prepúcio conhece aquela que viria a ser sua inseparável companheira, Lili, A Libertina, moça tímida que servia cafezinho na Corte, mas que nas próprias palavras de Prepúcio em sua autobiografia “MINHA VIDA DARIA UM FILME DE SACANAGEM”, tratava-se de “um verdadeiro vulcão”.

A famosa frase que começa com as palavras “Agora procederemos...” (C. Fodovsky, in “Prepúcio, Uma Vida Devassa”) foi proferida na noite de núpcias de Prepúcio e Lili.

Na Corte do Rei Príapo III, O Safado, Prepúcio exerceu o cargo de preceptor do príncipe Onan, introduzindo-o no aprendizado da técnica do chamado “Cinco contra Um”, e da princesa Clímenes no nobre esporte bretão do “SPIDERFIGHT” (o famoso “briga de aranha” ).

Data dessa época, o célebre “Discurso das Sete Perguntas”: no Parlamento da Cornualha, ao final de seu pronunciamento, ele lança para uma platéia deslumbrada diante de sua oratória, as seguintes questões transcendentais:

• Sentais na maçaranduba?
• Agasalhais um croquete?
• Entubais uma brachola?
• Abocanhais um robalo?
• Segurais um vergalhão?
• Pegais na Perestroika?
• Engasgai-vos com uma Glasnost?

Prepúcio, o Glande, tem um fim inglório. Morre numa lagoa ao tentar afogar um ganso. Mas seus feitos chegaram aos nossos dias e todo ano ele é lembrado na festa de seu aniversário na Cornualha: trajando longos xinbungos, adornados com qualhiras, anéis de couro nos dedos, os prepucianos entoam cânticos em memória de Prepúcio. Nos céus das cidades, o Passaralho voa.

https://www.facebook.com/notes/jamil-damous/prep%C3%BAcio-o-glande-resumo-de-uma-biografia-n%C3%A3o-autorizada/741077619239960?comment_id=8487385&notif_t=like
Postar um comentário