sexta-feira, 17 de abril de 2015

Rock Hudson e o compadrio, Luis Fernando Verissimo



Rock Hudson e o compadrio
Luis Fernando Verissimo


O Estado de São Paulo
26 Março 2015

Sou de uma geração que nunca se recuperou da revelação de que o Rock Hudson era gay. Entende? Nada contra ser gay, declarado ou disfarçado. Cada um use seu corpo e siga suas preferências sexuais como quiser, ninguém tem nada com isso. Mas é que o Rock Hudson representava, na sua época, um ideal de masculinidade inquestionável. Até o seu nome inventado – Rock – transmitia uma ideia de macheza esculpida em pedra, para sempre. E, de repente, descobrimos que até as coisas mais evidentes podem não ser o que parecem. Se o Rock Hudson era gay, todas as nossas certezas estavam ameaçadas. (Abro parênteses para sugerir que eu talvez seja uma das últimas pessoas do mundo que sabem quem foi o Rock Hudson. Ator americano. Trabalhou em alguns filmes com a atriz e cantora Doris Day, de quem o Groucho Marx disse, certa vez, que a conhecera antes de ela ser virgem, outra desilusão.) Enfim, dizia eu quando me interrompi tão rudemente, nunca mais acreditamos inquestionavelmente em mais nada. 

Com uma exceção. Entre as poucas certezas que sobreviveram ao choque de saber que o Rock não era tão rock assim estava a da inviolabilidade das contas numeradas na Suíça. Podia-se especular sobre quem tinha ou não tinha conta numerada num banco suíço, mas jamais esperar que se descobrisse quem. Agora ruiu mais este mito. Os nomes estão saindo nos jornais. Temos o direito de nos sentirmos um pouco como aquele irmão Karamazov do romance do Dostoievski que, no meio de uma bebedeira, proclama: “Se Deus não existe, tudo é permitido!”. Anos mais tarde, o Nelson Rodrigues se apropriou da frase e escreveu: “Se Vinicius de Moraes existe, tudo é permitido!”. 

Podemos propor uma terceira versão: se não se pode mais confiar nem na discrição fiduciária dos suíços, nada é sagrado!

No Brasil, há mitos ruindo por todos os lados, incluindo alguns que o PT criou sobre si mesmo. O mito neoliberal da competição como tônico de um mercado livre a autorregulável só sobrevive porque seus pregadores desdenham do óbvio. O que estamos vendo nessa meleca toda, empreiteiras formando cartéis para participar de licitações combinadas e comprando favores e contratos de corruptos com propinas milionárias, se não uma espécie de apoteose feérica do capitalismo de compadres em ação? O compadrio odeia a competição. Talvez, na próxima passeata, uma das faixas possa aludir a isso. 

http://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,rock-hudson-e-o-compadrio,1658196
Postar um comentário