terça-feira, 7 de janeiro de 2014

TENHO FRIO E ARDO EM FEBRE! - Olavo Bilac



TENHO FRIO E ARDO EM FEBRE!
Olavo Bilac
E tremo a mezza state,
Ardendo inverno
(Petrarca)


Tenho frio e ardo em febre!
O amor me acalma e me endouda! O amor me eleva e abate!
Quem há que os laços, que me prendem, quebre?
Que singular, que desigual combate!
Não sei que ervada flecha
Mão certeira e falaz me cravou com tal jeito,
Que, sem que eu a sentisse, a estreita brecha
Abriu, por onde o amor entrou meu peito.
O amor me entrou tão cauto
O incauto coração, que eu bem cuidei que estava, ao recebê-lo, recebendo o arauto
Desta loucura desvairada e brava.
Entrou. E, apenas dentro,
Deu-me a calma do céu e a agitação do inferno...
E hoje... ai! de mim, que dentro concentro
Dores e gostos num lutar eterno!
O amor Senhora, vede:
Prendeu-me. Em vão me esforço, e me debato e grito;
Em vão me agito na apertada rede...
Mais me embaraço, quanto mais me agito!
Falta-me o senso: a esmo,
Como um cego, a tatear busco nem sei que porto:
E ando tão diferente de mim mesmo,
Que nem sei se estou vivo ou se estou morto.
Sei que entre as nuvens paira
Minha fronte, e meus pés andam pisando a terra;
Sei que tudo me alegra e me desvaira,
E a paz desfruto, suportando a guerra.
E assim peno e assim vivo:
Que diverso querer! Que diversa vontade!
Se estou livre, desejo estar cativo;
Se cativo, desejo a liberdade!
Postar um comentário