quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

EDUCAÇÃO, A CHAVE DO DESENVOLVIMENTO Francisco Vaz Brasil



EDUCAÇÃO, A CHAVE DO DESENVOLVIMENTO
Francisco Vaz Brasil




      A chave do desenvolvimento e do crescimento econômico fundamenta-se na melhoria da qualidade da educação da população e da universalização do ensino. A valorização da mão-de-obra qualificada é um elemento gerador de eficácia e de serviços competitivos. Não se trata, apenas, de investir em máquinas e em infraestruturas. O país deve formar, captar e manter nas suas fronteiras pessoas com capacidade de operar e tornar rentáveis tais equipamentos e infraestruturas.
     A deficiência educacional é a responsável por boa parte dos problemas existentes em outras áreas. Um povo que recebe educação de qualidade, automaticamente tem cultura, poder de discernimento e pensamento próprio. Devido a isso, sabe separar o que é bom e o que é prejudicial, zelar pela sua saúde, lutar por seus direitos. A educação deve ser a preocupação número um de uma nação,, porque é ela que dá origem a todo o resto. Se a ausência da educação afeta a estrutura de toda uma nação, sua presença  pode ser a única chave para resolver o poço da exclusão social.
     A educação é a base, o pilar de sustentação, única e verdadeira indutora do desenvolvimento de uma sociedade. Logo sua importância é suprema e vital, em todo aparelho do desenvolvimento de qualquer país. No domínio social, por exemplo, permite que as pessoas saibam os seus direitos e aprendam a lutar por eles, exigir soluções para os problemas da saúde, saneamento, segurança e outros problemas sociais, como a geração de emprego e renda.
     No campo econômico permite que as pessoas estejam habilitadas e qualificadas técnica e intelectualmente para enfrentar o mercado de trabalho, seja nas empresas estatais, seja nos empreendimentos privados, e isto fortalece o setor produtivo das indústrias para consumo interno e externo, gerador de receitas para essas pessoas e para o estado. No plano político, faz com que todo o sistema político-institucional tenha mais credibilidade técnica, profissional e até ética, reduzindo o risco do país face aos credores internacionais. Estabilidade política, macroeconômica e melhores realidades sociais, viabilizando maior qualidade de vida dos cidadãos. Por último garante as pessoas um nível cultural que lhes permite encontrar sempre soluções para cada novo desafio que surja, capaz de viabilizar o futuro do seu desenvolvimento.
     A educação definitivamente interfere em sua economia de um país. Optar por investir na educação, em projetos de pesquisa, em ciência e tecnologia e, enfim qualificar cada vez mais seus profissionais. Este investimento, desenvolve profissionais qualificados que, no futuro, produzirão tecnologia de ponta e, consequentemente, tornarão a economia do país mais solidificada. 
     O governo brasileiro trata das questões econômicas e educacionais como funções distintas. Mas educação e desenvolvimento estão intrinsecamente associados. Investindo na formação de estudantes eles se tornam profissionais qualificados e aumentam o nível da produção do país.  Precisamos oferecer oportunidade de ensino e educação aos jovens e adultos e investir maciçamente em bolsas de mestrado e doutorado aos talentos que estão espalhados por todo o território nacional.
     É por isso que ela deve ser acessível a todos e a melhor possível. E com um pouco de esforço do governo, da iniciativa privada e da sociedade civil, podemos levar uma educação de excelência aos quatro cantos do país.
Postar um comentário