quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Capitalismo selvagem: Globalização, de quê? por Francisco Vaz Brasil



Capitalismo selvagem: Globalização,  de quê?
por Francisco Vaz Brasil



     A globalização econômica é um processo histórico,  resultado da inovação humana e do progresso tecnológico. Refere-se à crescente integração das economias de todo o mundo, especialmente através do comércio e dos fluxos financeiros. Em alguns casos este termo faz alusão ao deslocamento de pessoas (mão de obra) e a transferência de conhecimentos (tecnologia) através das fronteiras internacionais. A globalização compreende, também, aspectos culturais, políticos e ambientais mais amplos.
     Em seu aspecto mais básico a globalização não encerra nenhum mistério. Este termo é utilizado desde os anos oitenta, ou melhor, desde que os avanços tecnológicos têm facilitado e acelerado as transações internacionais comerciais e financeiras. Refere-se ao prolongamento para mais além das fronteiras nacionais das mesmas forças do mercado que durante séculos tem operado em todos os estágios da atividade econômica humana: nos mercados rurais, nas indústrias urbanas ou nos centros financeiros.
     Os mercados promovem a eficiência por meio da competência e da divisão do trabalho, ou seja, há uma especialização, que permite às pessoas e economias centrar-se no melhor que sabem e podem fazer. Graças à globalização, é possível beneficiar-se de mercados cada vez mais vastos em todo o mundo e ter maior acesso aos fluxos de capital e à tecnologia e, beneficiar-se de importações mais baratas e mercados de exportação mais amplos. Mas os mercados não garantem necessariamente que a maior eficiência beneficiará a todos. Os países devem estar dispostos a adotar as políticas necessárias e, no caso dos países mais pobres, possivelmente venham a precisar do respaldo da comunidade internacional para tal efeito.
     Então, a globalização vem a ser o processo político, econômico, social e ecológico que está ganhando lugar em nosso planeta, pelo qual cada vez mais existe uma maior inter-relação econômica entre uns lugares e outros por mais distantes que estejam, sob o controle das grandes empresas capitalistas, as multinacionais.
A globalização econômica implica que cada vez mais âmbitos da vida são regulados pelo chamado livre mercado, como a saúde, a educação, a informação, etc. Observa-se que a expansão da ideologia neoliberal (ultra-capitalista)  se aplica a quase todos os países com cada vez maior intensidade. As grandes empresas conseguem amealhar mais poder e espaço à custa da cidadania e do monopólio dos mercados.
Um outro aspecto que a globalização econômica está interferindo enormemente é sentido no meio ambiente e no bem estar social, que se subordinam aos imperativos do sistema econômico, cujo fim é a acumulação por parte de uma minoria.
     A globalização tem sido marcada pela crítica como sendo a incrementadora da pobreza e da exclusão social na maioria dos países não alinhados ao bloco dos países ricos.
Ela supõe indubitáveis vantagens, mas também grandes desvantagens. Entre os mais beneficiados estão as instituições financeiras, as empresas multinacionais, as chamadas organizações não governamentais e aquela mão de obra altamente qualificada.
     A globalização não contempla nenhum mecanismo de redistribuição de renda. Para atenuar o desastre da globalização da pobreza, foram propostas algumas medidas, como o perdão da dívida extrema dos países mais pobres e o aumento da ajuda financeira a estes países.
     Algumas das iniqüidades da globalização são conseqüência das mesmas faltas de igualdade entre países ricos e pobres, ou entre as populações ricas e pobres dentre eles. Conforme o PNUD, 20% da população mundial mais rica, controla 86% do PIB mundial e 82% das exportações de bens e serviços, enquanto que os 20% mais pobre apenas 1% do PIB e as exportações. A globalização indica também um aumento da exclusão social, marginalizando a grupos sociais completos de toda participação real, com o aumento do desemprego e da pobreza. Hoje, São Paulo, a maior cidade brasileira tem 20% de sua população ativa relegada ao desemprego.
     Na América Latina, segunda a CEPAL, o número de pobres que em 1980 era de 135 milhões, chegou a 200 milhões em 1990 e, em 1997, apesar do crescimento econômico experimentado nesse período, alcançou o número de 204 milhões, e, deles, cerca de 90 milhões são indigentes, vivendo em uma pobreza extrema.
     Uma nova forma de iniqüidade pode ser vista na integração das comunicações. A internet une as pessoas em uma nova rede global, mas o acesso se concentra entre as pessoas dos países ricos.
Com a globalização econômica, o aumento do comércio exterior se vê favorecido pela abertura e liberalização dos mercados e pelo impacto da atual revolução tecnológica sobre as comunicações tanto físicas (transportes), como eletrônicas (informação). Um dos aspectos chave é a grande mobilidade do capital financeiro, a existência de um mercado planetário, onde diariamente e à instantânea velocidade da luz, as redes eletrônicas movimentam e intercambiam sem controle, 1,5 milhões de dólares.
     Entretanto, a palavra globalização não se usa somente à referida globalização econômica ou financeira, mas que abrange outros aspectos, como já vistos, como um processo que integra as atividades econômicas, sociais, ambientais e das questões trabalhistas. A globalização supõe também o desaparecimento das fronteiras geográficas, materiais e espaciais. As redes de comunicação, da internet aos telefones móveis, põem em relação e interdependência a todos os países e a todas as economias do mundo, tornando realidade a chamada aldeia global. Globalização e neoliberalismo não são termos sinônimos, mas atualmente se produz uma repetida concordância entre o fenômeno físico da globalização e o fenômeno ideológico do neoliberalismo. A redistribuição da renda, em escala nacional e mundial se relega completamente, e a única esperança é uma utópica saída. A quem recorrer: ao FMI, à Organização Mundial do Comércio ou à mercearia da esquina? 
     Capitalismo selvagem, globalização de quê?
Postar um comentário