sexta-feira, 21 de agosto de 2015

ASSALTADO POR UM GUARDA-CHUVA, ELIAS RIBEIRO PINTO



ASSALTADO POR UM GUARDA-CHUVA
ELIAS RIBEIRO PINTO




COLUNA DESTA SEXTA (21.8.15) NO JORNAL DIÁRIO DO PARÁ

Sinto a pressão do cano do revólver mais forte entre as minhas costelas. Mas o ladrão permanece estranhamente em silêncio. Já me dispunha a levantar os braços quando me dei conta do que acontecera.

1 Não faz muito tempo eu e a minha mulher subíamos a Caetano Rufino, rumo à praça das Sereias, na Presidente Vargas, quando na esquina surge um carro da polícia, que para ao nosso lado. De dentro do veículo, um dos policiais nos alerta: “Cuidado que esta área é perigosa”. Diante da inesperada abordagem, agradeci ao guarda por sua preocupação, mas disse-lhe que morava logo adiante e conhecia bem “a área” em que eu pisava, deveras perigosa, concordei.

2 Realmente, era um sábado à tarde, e a Campina, como todo bairro central de grandes cidades aos finais de semana, esvaziada do movimento do dia a dia, respirava um ar de desalento, as ruas vazias propícias à ação da bandidagem. O policial tinha sido, reconheçamos, atencioso, preocupado com a exposição, digamos, indevida daqueles cidadãos supostamente do bem – eu e minha mulher. Mas o que esperamos da polícia é que efetivamente nos proteja, em vez de alertar sobre a ameaça de assaltos. E isto se faz com ronda e vigilância constantes.

3 Quem acompanha esta coluna, ou dela seja leitor eventual, já deve ter lido (ou flagrado, para nos valermos de uma linguagem mais apropriada ao clima policial) diversas vezes sobre a violência, a criminalidade que acompanha o nosso cotidiano – bem a propósito, a coluna de anteontem, “Um dia na vida do belenense”, versava (agora me permitam a licença poética) sobre este assunto.

4 E se já retorno ao tema o faço por causa de reportagem publicada, também na quarta-feira passada, no caderno Polícia do DIÁRIO, intitulada: “Bairro da Campina: moradores são reféns do medo”. “Durante o dia ou à noite, insegurança é constante em pleno centro de Belém”, informa o texto, que destaca, em particular, a ação – filmada por câmeras de rua – de assaltantes na passagem Fiúza, aqui pertinho de casa.

5 Olhem, se o que já escrevi sobre a criminalidade em Belém daria um livro de bom tamanho, um bom capítulo desse livro, ou até mesmo um opúsculo, seria preenchido com os relatos de roubos, assaltos e arrombamentos ocorridos aqui na Campina. 

6 Para desanuviar o clima, mas sem deixar de respirá-lo, vou recontar um episódio engraçado, ou tragicômico, que dá bem a dimensão do medo, da insegurança, do permanente estado de alerta que vivemos os campineiros (o que não é exceção, mas praticamente é regra para toda a população belenense, como contei na coluna anterior). Vamos ao caso.

7 Chegava em casa exatamente num sábado, trazendo do carro, deixado no estacionamento do lado de lá da rua (outro perigo essa travessia), bregueços vários, de livros a guarda-chuva.
Pego a chave para abrir a porta e sinto que algo me espeta a costela, pressionando-a. Elementar, meu caro leitor: é um assaltante com uma arma, que surgiu do nada, como eles surgem, ainda que eu tenha olhado em torno, precavido – como rezam os manuais de segurança. 

8 Sinto a pressão do cano do revólver mais forte entre as minhas costelas. Mas o ladrão permanece estranhamente em silêncio. Já me dispunha a levantar os braços quando me dei conta do que acontecera.

9 Ao levar a chave de casa até a fechadura, trouxe junto o guarda-chuva, que eu segurava na horizontal, sustentado entre a lateral da barriga e o braço direito, a ponta para frente e o cabo em gancho para trás. Ao realizar o movimento de girar a chave, o cabo se enganchou às minhas costas, o que me levou a supor que era o assaltante com uma arma que me surpreendia.

10 Olhei em torno e certifiquei-me que nenhum vizinho flagrara aquela estranha cena, como que se eu obedecesse a um comando, “estátua!”, da brincadeira infantil. Era uma situação digna do antigo seriado “Os 3 Patetas” – ou, numa versão “cabeça”, de um filme de Jacques Tati.

11 Mas não riam – quer dizer, podem rir. Eu mesmo quase tive um acesso de riso quando, aliviado, constatei o que ocorrera. Afinal, temos justificados motivos, decorrentes da insegurança reinante, para nos manter alertas.

12 Por isso, sorria (como diria aquele personagem do Chico Anysio) se for só o cabo de seu guarda-chuva fazendo as vezes de assaltante. E lhe dando um toque – nas costelas – para não marcar vacilo.

https://www.facebook.com/elias.ribeiropinto/posts/10204923377105820
Postar um comentário