sábado, 13 de setembro de 2014

VOCÊ TAMBÉM É CANDIDATO, Elias Ribeiro Pinto



VOCÊ TAMBÉM É CANDIDATO
Elias Ribeiro Pinto


COLUNA DESTA SEXTA (12/9/14) NO JORNAL DIÁRIO DO PARÁ

Em toda eleição havia um Zé da Farmácia, que nem a lenda do Fantasma, o espírito que jamais deixa de andar

1 É? Você também? Que a época está congestionada de candidatos. De repente você se pega falando com um conhecido. Não, não é um amigo mais próximo, mas um conhecido, desses que a gente enxerga. Aí você diz que está indeciso, não sabe em quem votar para deputado. E então esse conhecido puxa um santinho do bolso com o número de sua candidatura. “É, sou candidato a deputado estadual”, ele confirma. Ou então ele puxa o santinho e diz que o candidato é seu irmão, primo, cunhado, vizinho, amigo de porrinha, vendedor de tapioca.
2 Mas com certeza o leitor tem um candidato nessas condições, um irmão, um parente, um cunhado, o amigo de repartição, o(a) colega de Redação. Se é que o leitor, é, você aí que está lendo agora, não é também candidato. É?
3 Para conseguir um lugarzinho ao sol nesse vale-tudo de candidatos... vale-tudo. É uma safra de bizarrias que desfila no horário eleitoral, do qual o Tiririca é uma espécie de suprassumo do gênero. Nem vou comentar esse lado “folclórico”, hoje um lugar-comum da cobertura jornalística sobre eleições.
4 E estou neste momento escrevendo sobre o assunto e me passa na rua um carro-som em que o número do candidato, e só o número, é cantado, ad infinitum e ad nauseam, num mastigamento abolerado de fim de noite numa espelunca na Condor, o cantor (e possivelmente a clientela), com a voz pastosa, já completamente bêbado. Taí, gostei.
5 De minha parte, continuo na crença de que a democracia, apesar de tudo, e etc. etc., por não se ter inventado etc. etc., ainda é o melhor, ou o menos pior, dos regimes. Mas que às vezes dá uma canseira, ah...
Lembro que em toda eleição havia um Zé da Farmácia. Que nem a história em quadrinhos do Fantasma. Por séculos e séculos sempre haverá um Fantasma. Ou seja, um herdeiro manterá viva a lenda do espírito que anda. Falando em Fantasma, o nome do cachorro dele é Capeto? Faz sentido. Neste caso, também haverá sempre um herdeiro do Capeto? Acho essa uma questão fundamental da filosofia heideggeriana (com um certo acento camusiano).
6 Mas voltando ao xarope, quer dizer, ao Zé da Farmácia. Efetivamente, houve uma legislatura em que, finalmente, um Zé da Farmácia (era do Benguí) ganhou corpo na Câmara de Belém. Foi só o tempo de uma legislatura, mesmo. Mas deixou herdeiros, se não de sangue, de apelido. Vocês já viram algum Zé da Farmácia este ano? Em legislatura mais recente tivemos não um emergente de botica, mas um cobrador, e pregador. O Cobrador Pregador. Que, depois da legislatura de novidades protocolares, foi devidamente escanteado, devolvido ao tombamento folclórico.
7 Dessas assunções folclóricas – entre as quais o jurunense Gonçalo Duarte era matriz de mais tutano – recentes o Bento Maravilha (tinha no então colega de plenário Babá um fã) teve seu quinhão de celebridade. Proibido de ingressar com seu vira-lata no Antônio Lemos, então sede do legislativo mirim, passou a levar um bibelô em forma de cachorro, que acomodava em sua bancada, representando a espécie, não a dos excelentíssimos parlamentares, mas a dos vira-latas rejeitados.
8 E o Humberto Cunha? Ninguém conseguia um aparte do cabra macho icoaraciense Miguel Sampaio, parceiro de legislatura. Foi quando o Humberto pegou o espírito (não o que anda) da coisa. Ao apartear Sampaio, intimava-o: “Vossa excelência tem a coragem de me conceder um aparte?” Ferido em seus brios, Sampaio, com indômita energia cabana, interrompia, de súbito, o próprio discurso, e trovejava: “Pois vossa excelência tem o aparte”. Cabra macho.
9 That’s All Folks!

https://www.facebook.com/elias.ribeiropinto/posts/10202787874399587
Postar um comentário